domingo, outubro 28, 2007

Canções de amor


Fui assistir, com Eleonora, e me fez lembrar Beauvoir e Proust ao mesmo tempo ( Quando o Espiritual Domina e Em Busca do Tempo Perdido). Na primera parte do filme talvez haja duas forças, ou dois movimentos, de repulsa e atração que o tornam muito dramático. No entanto, as adoráveis canções transformam uma dessas forças ( repulsa) em algo palátavel (num bom sentido). Depois do grande ápice da primera parte, vem melancolia e... e as duas forças pungentes são transformadas em puro lirismo ( de novo por causa das canções que mudam de tom)
Bom, o lance é o seguinte, não dá pra contar nada se não estraga, o filme é encantador (enchanting).
Os atores são lindos ( o protagonista é tão lindo que parece uma mulher, a amante parece um anjo, a "ponte" entre os dois é trés belle, Mastroiane é muito bonita e canta muito bem, a menina que mais lê, um encanto, e o menino (stalker) um charme)
Também me fez lembrar, no começo, por causa de umas cenas, a opulência dos países do norte versus os problemas e mazelas dos "países em desenvolvimento", mas abstraí, e o filme ou as cenas não voltam a tocar no problema.
De uma maneira geral, a fotografia do filme é maravilhosa e os closes nas placas e letreiros não são de graça. Paris é uma Paris mais intimista, sem panorâmicas aéreas, as tomadas dos monumentos, feitas de baixo pra cima, num movimento veloz como um automóvel, são curtas e quase impressionistas.
Um adorável filme pra ver com alguém de quem se gosta.

2 comentários:

www.copacabanadetoledo.blogger.com.br disse...

EXTRA!EXTRA!
CURTA IMPERDÍVEL LÁ NO BLOG.
PRA ENTENDER UM POUQUINHO DAS BELEZAS DE UMA CIDADE MARAVILHOSA!

Anônimo disse...

Olá Alcides,

Eu pensei ter visto este filme, mas agora depois de você... vjeo que não.
Gi