quinta-feira, setembro 29, 2011

Los columpios

WILLIAM BLAKE


Los columpios no son noticia,
son simples como un hueso
o como un horizonte,
funcionan con un cuerpo
y su manutención estriba
en una mano de pintura
cada tanto,
cada generación los pinta
de un color distinto
(para realzar su infancia)
pero los deja como son,
no se investigan nuevas formas
de columpios,
no hay competencias de columpios,
no se dan clases de columpio,
nadie se roba los columpios,
la radio no transmite rechinidos
de columpios,
cada generación los pinta
de un color distinto
para acordarse de ellos,
ellos que inician a los niños
en los paréntesis,
en la melancolía,
en la inutilidad de los esfuerzos
para ser distintos,
donde los niños queman
sus reservas de imposible,
sus últimas metamorfosis,
hasta que un día, sin una gota
de humedad, se bajan
del columpio
hacia sí mismos,
hacia su nombre propio
y verdadero, hacia
su muerte todavía lejana.


FÁBIO MORABITO

sábado, setembro 24, 2011

Duelo por Miguel Pruneda

"Apenas ahora le caía el peso de saberse vencido, la certidumbre que Estela  y Hugo ya se habían marchado y muy pronto, entre bebidas y meseras, sabrían sonreír de verdad, no con esos labios que en ese momento Miguel torcía a la fuerza, al tiempo que aflojaba las piernas para sentarse en flor de loto justo bajo la lluvia de la regadera. Luces hermosa, Estela. Pide lo que quieras, Estela. Y ahí dejo correr el tiempo, sin angustia ni rencores, aceptando que ese era el remate lógico para su día."
DAVID TOSCANA

sexta-feira, setembro 23, 2011

"And the hippos were boiled in their tanks"


“Rimbaud thought he was God”, Philip said. Maybe that’s the primary requisite. In Cabala man stands on the threshold of vegetable life, and between him and God remains only a misty shroud. But suppose you actually project yourself as God, as the sun, then what would you see and know?”

“Yes”, said Al. “You might have something there. But of course Rimbaud eventually failed after a projection of that sort.”

BURROUGHS & KEROUAC

quarta-feira, setembro 21, 2011

shakuhachi & shamisen: Meikyo

"And the hippos were boiled in their tanks"

"The man began to explain that in the Village you had to act like a character."

Will Dennison

terça-feira, setembro 20, 2011

Flight to quality



‘Pra seguir minha jornada
E com a vista enevoada
 Ver o inferno e maravilhas’
CHICO BUARQUE
Quando ouço Heidegger, Ana. Quando ouço Winnicott, Paula. Saudades de Anas. Saudades de Paulas. Faz mais de 15 anos que desisti de ser Rimbaud. Creio em minha derrota. Reconheço sua onipresença. Ulysses sobe no busão. Calypso sobe na Paulista. Pra que tanta perna meu Zeus? Land sakes! Hipócrita. Obsessivo. Psicótico. Saudades da rispiridona e dos antidepressivos. Saudades das vozes. Feliz? ‘ Sou.’ E reconheço a seriedade objetiva de meus companheiros. E creio que o universo continua a expandir-se. E continuo a perder minha sensibilidade ou talvez continuemos todos. Criando desertos.
Almarkets

sábado, setembro 17, 2011

Se acordar de Larsen



“We had the experience but missed the meaning. And approach to the meaning restores the experience in a different form.”
T.S. Eliot
“La realidad está tejida de ficciones.”
Ricardo Piglia

Me desperté tarde, aunque tuviera sed no me fui a cocina, automáticamente me fui al baño. Me coloqué bajo la regadera y creo que ahí satisfice un poco mi necesidad. Tendría que devolver unos libros en la biblioteca pública, uno sobre hermenéutica de Paul Ricoeur que no entendía y el otro era unos cuentos de Onetti. El chorro me limpió los mal humores acumulados desde hace rato. Cuando elegí el trabajo con mi Profesor favorito en la universidad, lo quería seducir con mi escritura, buscaba su reconocimiento, no sabía que iba a tener tantas dudas a respecto de la ficción, o lo mejor, de la novela contemporánea. Me vestí y luego estaba en la calle, con los libros en mi morral, en busca de un bar  donde tomar un desayuno honesto. Nunca  había escrito un trabajo sobre una novela clásica entonces no me sentía apto a investigar sobre algo tan contemporáneo, comparaba lo que hasta entonces había pensado con las clases de la nueva profesora sobre El Astillero, pues yo también lo había leído en Lima por me parecer un autor muy importante para Toscana. Mientras tomaba mi jugo de naranja y comía un sándwich de jamón y queso, pensaba en lo que había dicho a la nueva maestra, quizá David Toscana no tendría los artificios de un Onetti o a la vez yo no era un lector experimentado. También me pregunto se escoger a Duelo por Miguel Pruneda no había sido un equívoco. A final Los Puentes de Konigsberg, El Último Lector o Estación Tula eran más osadas y pretenciosas. Creo que me preocupo en vez de ocuparme y no salgo del lugar por sospechar de las calidades formales y estilísticas de la novela y a la vez desanimarme por mi ingenuidad como lector. Después de mi desayuno empecé a leer a Onetti y me topé con calculé que nos separaban veinte metros y menos de treinta años, sin duda esto es literatura. La nueva profesora nos había recomendado que leyéramos “La cara de la desgracia.” Luego vuelvo al tema del fracaso, del insólito,  y de la violencia. No puedo desistir, encontré a  Raquel en la biblioteca, siempre guapa, leía Profanações de Agamben un libro que ya había leído y pretendo utilizar en mi investigación. Quizá hay una investigación, a ver lo que pasa.

sexta-feira, setembro 16, 2011

Com açúcar, com afeto - Chico Buarque

Dichos


Los mexicanos dicen que Calderón anda haciendo caravana con el sombrero ajeno a respecto del desfile armado conmemorativo del 201 aniversario del inicio de la Independencia de México. Dicen que el presidente se presume, por supuesto tiene que ver con la Iniciativa Mérida y los black hawks en el desfile. Bueno termino con un dicho atribuído a Porfirio Díaz ¡Pobre México! Tan lejos de Dios y tan cerca de Estados Unidos, que me parece siempre desafotunadamente tan presente, mejor dicho, tan actual.

Breathe Owl Breathe- Boat

quarta-feira, setembro 14, 2011

Sobre o gozo da escrita


" Abro as veias: irreprimível,
Irrecuperável, a vida vaza.
Ponham embaixo vasos e vasilhas!
Todas as vasilhas serão rasas,
Parcos os vasos.

Pelas bordas - à margem -
Para os veios negros da terra vazia,
Nutriz da vida, irrecuperável,
Irreprimível, vasa a poesia."

Marina Tzvietáieva
(Trad. dos Campos)

terça-feira, setembro 13, 2011

A acensão do romance


"A postura geral do realismo filosófico (origens: Descartes e Locke; formulado por Thomas Reid) tem sido crítica, antitradicional e inovadora; seu método tem consistido no estudo dos particulares da experiência por parte do pesquisador individual, que, pelo menos idealmente, está livre do conjunto de suposições passadas e convicções tradicionais; e tem dado particular importância à semântica, ao problema da natureza da correspondência entre palavras e realidade. Todas essas peculiaridades do realismo filosófico têm analogias com os aspectos específicos do gênero romance - analogias que chamam a atenção para o tipo característico de correspondência entre vida e literatura obtida na prosa de ficção desde os romances de Defoe e Richardson."
IAN WATT

Gravura: Thomas Reid (1710- 1796)


Sepa (o ?Quién sabe?)


Admito sua onipresença
creio em minha derrota
busco meu lugarde ser, mesmo assim
Os fatos são teimosos disse o grande russo

Alchistes


Time and Eternity

XXIV

AFRAID? Of whom am I afraid?
Not death; for who is he?
The porter of my father’s lodge
As much abasheth me.

Of life? ‘T were odd I fear a thing
That comprehendeth me
In one or more existences
At Deity’s decree.

Of resurrection? Is the east
Afraid to trust the morn
With her fastidious forehead?
As soon impeach my crown!

Emily Dickinson


http://www.bartleby.com/113/index4.html
Link

sábado, setembro 10, 2011

Da Maria Rita Khel


"A beleza será convulsiva ou não será"
BRETON

Como ser capaz de perceber, entender e acolher em meu eu, os silêncios e o ditos contraditórios de uma voz frágil e enigmática que, antes, parecia não me dizer respeito?

Foto Marcelo Naddeo

No que estou pensando agora:


No Romance como forma e nas hipóteses de Benedito Nunes, Italo Calvino e Vargas Llosa.

Trio + 1 "Consolação"(Baden Powell)

quinta-feira, setembro 08, 2011

Sobre um encontro de escritores contemporâneos numa grande cidade do hemisfério sul



Entre Santa Maria e Buenos Aires. Acho que a maior parte dos escritores não sabe falar. Talvez a maior parte dos escritores não saiba falar sobre literatura em específico. Mas quem afinal sabe falar... um fato tão antigo desde Sherazade e Cervantes... No entanto os que sabem: Poe, Baudelaire, Henry James, Proust, Viginia Woolf, Manuel Bandeira, Onetti, Borges, Cortázar, Alfonso Reyes, Octavio Paz, Pizarnik, Carmen Martín Gaite, Ana C., Saramago, Vargas LLosa, Piglia, David Toscana e tantos outros falam e sabem escrever sobre o tema. Mais além, sabem narrar a literatura, fazer da literatura enredo. Não acho que isso seja mal. Isto não quer dizer que a literatura se volta sobre si mas além de engoblar vários conhecimentos engloba a sí própria. Faz sentido? Talvez mudar o título desta nota para da literatura fenomenológica. Gritos na madrugada, de mulher, medonhos, de uma criança, desesperados, não se sabe, não sei. Vou até a janela mas o que posso fazer?... além de continuar a escrever sobre minhas preocupações em relação a literatura.

quarta-feira, setembro 07, 2011

Da ipseidade


"A sugestão indeterminada de sentidos faz parte do jogo, especialmente num mundo de fragmentos da consciência em que não existe um grande vetor de direção coletiva". VIVIANA BOSI

Coleman Hawkins - Indian Summer

Coleman Hawkins - I love you

terça-feira, setembro 06, 2011

"A paz cultural"


"Dizer que há uma cultura burguesa é falso, porque é toda a nossa cultura que é burguesa (e dizer que a nossa cultura é burguesa é um truísmo cansativo, que subsiste em todas as universidades). Dizer que a cultura se opõe a natureza é incerto, porque nãos se sabe muito bem onde ficam os limites de uma e de outra: onde está a natureza no homem? Para dizer-se homem, o homem precisa de uma linguagem, isto é, da própria cultura. No biológico? Encontram-se hoje no organismo vivo as mesmas estruturas que no sujeito falante: a própria vida está construída como uma linguagem. Em resumo, tudo é cultura, da roupa ao livro, da comida à imagem, e a cultura está por toda parte, de uma ponta a outra das escalas sociais. Essa cultura, decididamente, é um objeto bem paradoxal: sem contornos, sem termo oposicional, sem resto."

ROLAND BARTHES

sábado, setembro 03, 2011

Da ipseidade


"Não pode haver uma totalidade da comunicação. Com efeito, a comunicação seria a verdade se ela fosse total."
Paul Ricoeur

http://www.citador.pt/frases/citacoes/a/paul-ricoeur