segunda-feira, janeiro 03, 2011

se eu morrer amanhã


deixarei um par de pessoas tristes, uma saudade distante, uma falta do que poderia ter sido mas nao é e nunca foi, uma saudade do que nao fiz e nao conheci, uma dor e um vazio
morreria também minha covardia e meu desespero e tudo continuaria como sempre foi desde sempre.

O Rio

Ser como o rio que deflui
Silencioso dentro da noite.
Não temer as trevas da noite.
Se há estrelas nos céus, refletí-las.
E se os céus se pejam de nuvens,
Como o rio as nuvens são água,
Refleti-las também sem mágoa
Nas profundidades tranquilas.

BANDEIRA

Sonho com Urubamba estes dias e com o Amazonas que nunca vi

2 comentários:

A Existência Segundo Rosi F. disse...

Adorei...
Seu blog expressa muita sensibilidade, isso é bacana.

Me segue lá no meu tb!!!!rsrsrsrsrsrs

Abraço!

A Existência Segundo Rosi F. disse...

Ainda não conheço Ouro Preto,mas vou conhecer em breve,disso sei...rsrsrsrsrs...

Brigada por comentar lá no Existência...poucosescrevem lá...fiquei tão animada...deve ser essa a sensação de ser blogueira...rsrs

Abraço!