quinta-feira, agosto 14, 2008

Valentina, valeu!


Tecnicamente, as pessoas são sempre mais velhas do que elas aparentam ou dizem ser, ou seja, uma média de nove meses mais velhas. Isso tudo descobri hoje graças à Dani, Ken e, principalmente a Valentina. Seja bem vinda e aproveite a viagem. Ela tem 2.9 kg. e de acordo com Biathan "she's gorgeous".(provavelmente tenha cara de joelhinho)

quarta-feira, agosto 13, 2008

Modesto


Às vezes, no ônibus pode-se pescoçar algo daquilo que os outros lêem, fácil juntar a palavra tristeza com amor num livro surrado, a menina mulata lê um livro azul e surrado, a dos olhos rasgadinhos lê umas cópias pra faculdade que não parecem muito interessante, as argentinas no banco de trás não liam, mas conversavam bastante, me lembrei da voz de Cristina mas não do seu sotaque porque afinal ela é mexicana. Eu leio um livro nda moda, Máquina de Pin Ball, fluído, cheio de razões ou falta delas, por vezes autêntico, se é que existe isso em ficção- ou o que quer que ele seja.
Nesses dias secos, a única coisa boa é a noite porque dá pra ver as estrelas, em São Paulo isso faz uma grande diferença. Estou pensando em sair hoje, curtir a noite, mais do mesmo, enfim...

quarta-feira, agosto 06, 2008

Programação (será o fim?)


Ingredientes
Açúcar, farinha de trigo, cenoura, chocolate, óleo vegetal, ovos, fermento em pó. Sapos amarelos vorazes lutam contra coelhos verdes enraivecidos. Nos arredores de Nirma-Ku, tudo parecia tranquuilo, agora, esta espécie de guerra neo-racista na busca pelo controle da cidade e depois do país. Os especialistas na televisão argumentam não haver nem diferenças ou algum tipo de exclusão. O fim do mundo a partir de hoje é uma mera questão matemática. (Essa fisssura narrativa foi encontrada pelas portas e paredes dos banheiros da faculdade de história)

Estudos Latino-americanos


"poderá a reflexão sobre as limitações políticas atuais (da teoria literária apenas?) dar lugar à reflexão sobre as possibilidades políticas?"

MOREIRAS

segunda-feira, agosto 04, 2008

Narrador cadáver


"Sempre nos damos conta das coisas quando não há mais remédio"


BOLAÑO